Educação

Rússia proíbe viagens de americanos para o país em retaliação a sanções

201403200227310000004457A Rússia anunciou nesta quinta-feira (20) que legisladores e funcionários do governo dos Estados Unidos estão proibidos de viajar para o país. A medida foi divulgada pouco após o presidente Barack Obama anunciar que o governo norte-americano irá impor sanções adicionais a funcionários, bancos e setores econômicos russos em resposta à anexação da península da Crimeia.

A lista de cidadãos dos EUA que estão proibido de visitar a Rússia foi divulgada pelo ministro de Relações Exteriores russo, Serguei Lavrov, e inclui John Boehner, porta voz do Congresso, Robert Menendez, chefe do Comitê de Política Externa do Senado, os conselheiros da Casa Branca Caroline Atkinson e Dan Pfeiffer, o líder da maioria do senado, o democrata Harry Reid, e os senadores John McCain, Mary Landrieu e Dan Coats.

“Não há dúvidas de que responderemos a todas as ações hostis”, disse Lavrov. “Nós alertamos que o use de sanções é uma faca de dois gumes que se voltará contra os Estados Unidos”.

Sanções dos EUA
“Estas sanções não terão apenas um impacto significativa sobre a economia russa, mas também podem ser impactantes para a economia global”, disse Obama. “A Rússia precisa saber que uma escalada mais aprofundada irá apenas isolar a Rússia da comunidade internacional ainda mais”, continuou o presidente norte-americano.

Hoje os líderes da União Europeia se reúnem em Bruxelas, na Bélgica, para discutir a crise da Crimeia. A primeira-ministra alemã, Angela Merkel, afirmou que o bloco está pronto para impor sanções à Rússia caso haja um agravamento das tensões.

Parlamento
A Duma (parlamento russo) ratificou hoje o acordo por meio do qual a Crimeia e a cidade de Sebastopol foram anexadas à Rússia.

Ao todo, 443 deputados votaram a favor e apenas um contra o acordo de adesão assinado na terça-feira entre o presidente russo, Vladimir Putin, e os líderes da Crimeia e de Sebastopol.

Crimeia
A Crimeia, que abriga a frota russa no mar Negro, foi parte da Rússia até 1954, quando o então dirigente soviético Nikita Kruschev passou seu controle à Ucrânia. Após a queda do ex-presidente ucraniano, Viktor Yanukovich, em fevereiro, as populações das regiões sul e leste do país foram às ruas para protestar contra o que consideraram um golpe de Estado.

A Rússia, aliada de Yanukovich e com interesses na região, apoia esse movimento. A península da Crimeia, de maioria étnica e língua russas e atualmente com um regime de república autônoma da Ucrânia, está sob controle de forças pró-Moscou desde 28 de fevereiro.

UOL

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios