Educação

Professores e funcionários retomam atividades da escola Raul Brasil em Suzano

Professores e funcionários da Escola Raul Brasil, em Suzano, retornam nesta segunda-feira (18), ao prédio escolar para acolhimento. A ação ocorre depois do massacre da última quarta-feira (13) que deixou 10 mortos. O ataque foi provocado por dois ex-alunos da escola, Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos.

A investigação aponta que, depois do ataque, ainda dentro da escola, Guilherme matou Henrique e, em seguida, se suicidou.

De acordo com o cronograma divulgado pela Secretaria Estadual da Educação de São Paulo, a partir desta terça-feira (19), a escola será reaberta para os alunos participarem de atividades de acolhimento.

Já a definição sobre a data da retomada das aulas será tomada pela direção da escola nesta semana.

Parte da fachada da escola foi pintada. As paredes internas também vão receber outra roupagem.

A placa com o nome da escola está no chão por conta da reforma. Uma estrutura metálica usada na reforma está montada na entrada principal da escola.

Os materiais deixados na escola pelos estudantes serão entregues a partir das 10h, desta segunda-feira de acordo com um cartaz na frente da escola.

A coordenadora geral dos programas de cidadania do Estado de São Paulo Eliana Passareli afirma que a intenção é atender todos os professores e funcionários que forem à escola nesta segunda-feira. “Esse acolhimento é feito individualmente e em grupo com conversas, consulta e atendimento psicológico. Isso também será feito nesta terça-feira com os alunos que queiram vir até a escola.”

Eliana destaca que não existe uma obrigatoriedade de presença tanto de funcionários, professores e alunos. “A intenção é um acolhimento e que eles venham para começarem a entender o que aconteceu. Esse programa faz um chamamento, um convite para o tratamento para termos a percepção de quem precisa de um retorno com mais calma. Depois faremos a busca ativa que é ir na casa dos professores, alunos e funcionários e ajudá-los no sentido de tratamento para o retorno ou não.”

No muro da escola, muitas pessoas deixaram homenagens, como cartazes, flores e velas.

No domingo (17), vizinhos e familiares das vítimas estiveram na frente da escola para prestar algum tipo de solidariedade às vítimas do massacre.

Sobrevivente lutou contra assassino

Uma das sobreviventes, Barbosa dos Santos, de 15 anos, que é lutadora de jiu-jítsu, contou que lutou contra um dos assassinos.

Ela ainda conseguiu abrir a porta de entrada e da escola para que outros estudantes pudessem escapar. Mas Rhyllary recusa o título: “Sou apenas uma sobrevivente”. (Veja a entrevista acima)

Arma falha e adolescente sobrevive

Gabriel Martins Margarida, 16 anos, disse que sobreviveu porque a arma de um dos assassinos falhou.

No momento do ataque, Gabriel conta que estava com dois amigos: um deles segue internado e o outro morreu.

De acordo com o adolescente, o assassino chegou perto dele e dos colegas e começou a atirar, acertando três tiros no amigo. “Ele estava a mais ou menos um metro de distância de mim”, diz. Neste momento, diz Gabriel, as balas do revólver acabaram.

G1

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios