Saude

Paraíba não registra nenhum caso de sarampo em 2014

2Neste ano de 2014 ainda não houve nenhum caso de sarampo na Paraíba, segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde/Núcleo de Doenças Transmissíveis. Durante a 5ª Semana Epidemiológica, que corresponde o período de 26 de janeiro a 1º de fevereiro, foram registrados quatro casos suspeitos mas, após os exames, a doença foi descartada.

No ano passado. de janeiro a dezembro, foram registrados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), 169 casos suspeitos de sarampo, distribuídos em 25 municípios. Destes, foram comprovados dez (João Pessoa, Cabedelo e Caaporã), o que já caracteriza um surto, uma vez que a doença já deveria ter sido erradicada.

Mesmo com este quadro favorável no início de 2014, a SES orienta os municípios para que fiquem atentos. “A orientação é que os municípios estejam atentos a possíveis casos suspeitos, já que podem acontecer a qualquer momento, uma vez que há muito movimento de pessoas de outras localidades no nosso estado e também de paraibanos indo para outros lugares. As notificações dos casos devem ser imediatas junto à SES e às Secretarias Municipais de Saúde para que sejam iniciadas ações de vigilância e bloqueios imediatos”, disse Anna Stella Pachá, chefe do Núcleo de Doenças Transmissíveis da SES.

Anna lembrou ainda que a vacina é a única forma de prevenção do sarampo e que deve acontecer em duas doses: a primeira aos 12 meses e a segunda aos 15 meses e estão disponíveis em todas as Unidades de Saúde da Família de todos os municípios. “Como a vacina é nossa única “arma” contra essa “guerra”, orientamos os municípios que elevem a cobertura vacinal e que aconteça de forma homogênea”, disse Anna.

No enfrentamento do atual cenário de eliminação da doença no país, o Ministério da Saúde recomenda, sistematicamente, que se assegure a atualização da situação vacinal, de acordo com o calendário nacional de vacinação e que se mantenha a realização de ações integradas entre os profissionais da saúde, da educação e do turismo.

A doença – O sarampo é uma doença altamente transmissível e que pode evoluir com gravidade e cursar com complicações, como pneumonia e encefalite. A transmissão ocorre de pessoa a pessoa, por meio de secreções expelidas ao tossir, espirrar, falar ou respirar. O vírus pode ser transmitido de quatro a seis dias antes e até quatro dias após o aparecimento do exantema ( manchas avermelhadas no corpo), sendo o período de maior transmissibilidade dois dias antes e dois dias após o início do exantema.

Recomendações – Diante da existência de surtos, em acompanhamento nos Estados de Pernambuco, Paraíba, Minas Gerais, São Paulo e Santa Catarina eDistrito Federal; dos eventos de massa ocorridos recentemente no Brasil, a Gerência de Vigilância em Saúde mantém a recomendação às Secretarias Municipais de Saúde que continuem em situação de alerta para captação oportuna de casos suspeitos de sarampo, bem como o desencadeamento das ações de:

– Notificar em até 24 horas o caso suspeito (conforme fluxo da Portaria 104/25 de Janeiro de 2011);

– Iniciar a investigação dos casos em até 48 horas;

– Orientação quanto ao isolamento domiciliar ou hospitalar do paciente até o final do período de transmissibilidade (04 dias após o início do exantema);

– Coleta de amostras clínicas para sorologia e identificação viral, conforme orientações do guia de vigilância epidemiológica. Os casos suspeitos, independente da situação vacinal para a Tríplice Viral, NÃO DEVEM SER VACINADOS até que o caso seja discutido com a Área Técnica da SES.

– As amostras de pesquisa de sorologia de casos suspeitos de Dengue e Rubéola que apresentarem febre e exantema e forem negativas, devem ser testadas para sarampo para fins de diagnóstico diferencial.

– Bloqueio vacinal dos contatos em até 72 horas e monitoramento de contatos por até 21 dias;

– Atualização de cartão de vacinação de crianças, adolescente e adulto;

– Monitoramento rápido de cobertura da tríplice viral;

– Busca semanal de casos em prontuários de hospitais e laboratórios públicos e privados;

– Os Municípios devem avaliar os casos já notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação para qualificarem as informações disponibilizadas de bloqueio vacinal, coleta de amostras clínicas e encerramento oportuno dos casos.

Secom PB

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios