Brasil

Ministro diz que para o governo episódio dos grampos ‘está superado’

ministro-diz-que-para-o-governo-episodio-dos-grampos-esta-superado.jpg.280x200_q85_cropO ministro da Comunicação Social, Edinho Silva, afirmou neste sábado (4) ao G1que, mesmo diante da revelação de que os Estados Unidos grampearam 29 telefones do governo brasileiro no início da gestão Dilma Rousseff, para o Palácio do Planalto o episódio da espionagem norte-americana está “superado”.

O site Wikileaks divulgou neste sábado uma lista classificada pela Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) dos EUA como “ultrassecreta”, a qual revela que, além da própria presidente Dilma Rousseff, ministros, diplomatas e assessores do Executivo federal foram espionados pela agência de inteligência.

Edinho Silva relatou ao G1 que conversou com Dilma na manhã deste sábado após a divulgação dos alvos brasileiros da espionagem dos Estados Unidos. Segundo ele, a avaliação do governo é de que as informações são relacionadas a fatos antigos.

“A posição do governo é de que esse episódio é relacionado a episódios antigos. O próprio governo americano reconheceu internacionalmente o erro e assumiu compromisso de mudança de prática. Para o governo [brasileiro], está superado”, ressaltou o titular da Comunicação Social.

A GloboNews, em parceria com a publicação online “The Intercept”, divulgou neste sábado, simultaneamente com o Wikileaks, a relação de integrantes do Executivo federal que foram grampeados pela NSA. A lista revelou que o telefone via satélite Inmarsat instalado no avião presidencial, com o qual Dilma se comunica com o mundo quando está a bordo da aeronave, é um dos 29 números monitorados pela NSA. Os números telefônicos foram espionados no início da gestão Dilma.

Entre outros nomes, estavam na lista da NSA o ex-chefe da Casa Civil Antonio Palocci; o atual ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, que, à época, ocupava o cargo de secretário-executivo do Ministério da Fazenda; o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general José Elito Siqueira, responsável pela segurança da presidente da República; e o ex-ministro das Relações Exteriores e atual embaixador do Brasil em Washington Luiz Alberto Figueiredo, então subsecretário-geral de Meio Ambiente.

A relação vazada pelo Wikileaks também mostra que quatro números do escritório da presidente no Palácio do Planalto eram monitorados pelos espiões dos EUA, além dos telefones do assessor pessoal da petista, Anderson Dornelles, e da secretária Nilce.

Os grampos norte-americanos, revela a lista do Wikileaks, também foram instalados em embaixadas, no Banco Central e na residência de diplomatas.

Ao G1, o ministro da Comunicação Social destacou que a presidente da República recém retornou de uma viagem oficial aos Estados Unidos, que, segundo ele, teve com um de seus objetivos a “reaproximação” com Washington. Ao longo dos quatro dias de estadia em território norte-americano, Dilma visitou oficialmente a Casa Branca, se reuniu com empresários em Nova York e foi conhecer a sede do Google, na Califórnia.

“A viagem [aos EUA] foi de reaproximação, construção de uma relação mais qualificada, de parcerias mais importantes”, disse Edinho Silva.

Em 2013, a revelação de que Dilma havia sido espionada pela agência norte-americana gerou uma crise diplomática entre Brasil e Estados Unidos. Indignada com a espionagem, a presidente brasileira cancelou, à época, uma visita de Estado (a mais alta da diplomacia) agendada para Washington e condenou duramente as ações de espionagem dos EUA na Assembleia-Geral das Nações Unidas, em Nova York.

No mês passado, quase dois anos depois do início do mal-estar diplomático com a Casa Branca, Dilma afirmou ao jornal belga “Le Soir” que a crise gerada por conta do episódio da espionagem era “uma questão do passado”. Em meio à visita oficial desta semana, o tema não ganhou destaque por parte dos chefes de Estado do Brasil e dos EUA.

Indagada em uma coletiva de imprensa concedida na última terça (30) na Casa Branca sobre se a crise diplomática gerada pelos grampos estava superada, a presidente brasileira chegou a brincar com o fato de ter sido espionada. Ao lado de Barack Obama, Dilma voltou a dizer que o colega norte-americano havia lhe prometido que, se quisesse saber qualquer coisa sobre o Brasil, ele ligaria para ela.

Para Edinho Silva, o governo avalia que as revelações deste sábado são muito semelhantes com as que a imprensa já havia divulgada. De acordo com o ministro, ao conversar com Dilma nesta manhã, eles não discutiram os nomes de pessoas espionadas.

Outros alvos da espionagem
Na relação divulgada neste sábado, além de Antonio Palocci, Nelson Barbosa, José Elito e Luiz Alberto Figueiredo, aparecem outros alvos da espionagem norte-americana no Brasil:

– André Amado, diplomata da Subsecretaria de Ambiente e Tecnologia
– Everton Vargas, ex-embaixador do Brasil em Berlim
– Fernando Meirelles de Azevedo Pimentel, subsecretário de assuntos internacionais do Ministério da Fazenda
– José Maurício Bustani, embaixador do Brasil na França, que foi removido da Diretoria da Organização Internacional para Proibição de Armas Químicas por pressão do governo norte-americano
– Luiz Awazu Pereira da Silva, ex-diretor da área internacional do Banco Central
– Luiz Balduíno, atual secretário de assuntos internacionais do Ministério da Fazenda
– Luiz Filipe de Macêdo Soares, ex-representante permanente do Brasil junto à conferência de desarmamento, em Genebra
– Marcos Raposo, ex-embaixador do Brasil no México e chefe do cerimonial da Presidência da República
– Paulo Cordeiro, da Secretaria de Assuntos Políticos
– Roberto Doring, assessor do ministro das Relações Exteriores
– Valdemar Leão, assessor financeiro do Itamaraty

Códigos da espionagem
Em 2013, os documentos sigilosos vazados pelo ex-prestador de serviços da NSA Edward Snowden revelaram que os EUA monitoraram atividades de outros países e de seus líderes, incluindo Dilma e a chanceler alemã Angela Merkel. O material obtido por Snowden revelaram que os espiões interceptaram e-mail e telefonemas da presidente brasileira.

No entanto, apesar de mostrar como foi feita espionagem de comunicações de Dilma com seus principais assessores, o  documento havia sido manipulado para esconder quem eram as pessoas ligadas à presidente que eram monitoradas. É justamente esta lista que foi revelada neste sábado pelo Wikileaks.

Um dos programas usados pela NSA é chamado de DNI Selectors, que, segundo outro documento vazado por Snowden, captura tudo o que o usuário faz na internet, incluindo o conteúdo de e-mails, e sites visitados.

O programa de espionagem à presidente tinha um código – S2C42. Esse número aparece junto aos nomes alguns dos nomes revelados agora. É o código para espionagem de questões políticas relacionadas ao Brasil.

A lista revela outra operação, com código S2C51: é a mesma que grampeou três presidentes franceses e tinha como objetivo espionar a evolução financeira mundial.

No Brasil, os alvos classificados com o código S2C51 foram Nelson Barbosa, Luiz Balduíno, Fernando Meirelles de Azevedo Pimentel, um homem identificado como Carvalho, que, segundo a GloboNews, pode ser Luiz Eduardo Melin de Carvalho e Silva, ex-chefe de gabinete do ministro da Fazenda até janeiro de 2011, e Luiz Awazu Pereira da Silva.

Julian Assange
Recluso há três anos na embaixada do Equador em Londres, o fundador e editor-chefe do Wikileaks, o australiano Julian Assange, se manifestou neste sábado sobre os grampos em telefones do governo brasileiro por meio de um comunicado publicado no site. No texto, Assange levantou suspeitas sobre eventuais informações privilegiadas dos Estados Unidos, obtidas por meio de grampos, que possam beneficiar empresas norte-americanas nas concessões que serão feitas pelo governo federal na área de infraestrutura.

“Se a presidente Dilma Rousseff quer ver mais investimentos dos EUA no Brasil na esteira de sua recente viagem ao país, como ela afirma, como ela pode assegurar às empresas brasileiras que as companhias norte-americanas não têm uma vantagem proporcionada por esta vigilância. Até que ponto ela pode realmente garantir que a espionagem foi encerrada – não apenas sobre ela, mas sobre todas as questões brasileiras”, ressaltou Assange no comunicado.

Na visão do fundador do Wikileaks, a Casa Branca tem de percorrer um “longo caminho” para provar que não monitora mais autoridades de países considerados “amigos”.

“Nossa publicação mostra hoje que os EUA têm um longo caminho a percorrer para provar que sua vigilância sobre os governos “amigos” terminou. Os EUA têm monitorado não apenas a presidente Rousseff, mas as pessoas-chave do governo, com quem ela fala com todos os dias”, enfatizou.

Na tentativa de deixar a embaixada equatoriana, ele pediu asilo político a França em uma carta dirigida ao presidente François Hollande e publicada pelo jornal Le Monde. Nesta sexta (3), o governo francês rejeitou a solicitação de Assange.

 

G1

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios