Destaques

Médico explica dores mais comuns na gravidez e ensina a evitar os incômodos

gravida-dor-costas-shutter146442830-250x222Dores e incômodos são muito comuns durante a gravidez graças às tantas mudanças pelas quais passa o corpo da mulher. Esses desconfortos acontecem, principalmente, pelas alterações nos níveis de hormônio, que deixam os ligamentos mais elásticos, com mais mobilidade, o que faz com que as articulações fiquem mais “soltas”. Como consequência, costas, quadris, joelhos e tornozelos doem na maioria das grávidas.

Leia também
Ultrassom gestacional: 10 dúvidas sobre o exame
Exame de sangue pode detectar síndrome de Down
Veja quais são os nutrientes essenciais na gestação

Muitas gestantes passam também por dores abdominais, que aparecem com maior frequência no segundo trimestre da gravidez. No terceiro e último trimestre, podem surgir contrações descoordenadas da musculatura uterina, conhecidas por Braxton-Hicks. Quando o bebê estiver próximo de nascer, a futura mamãe pode ainda sentir cólica e dor pélvica, já que o bebê se encaixa na parte inferior da bacia.

Apesar de ser comum sentir dores, é sempre importante ficar atenta e consultar um médico quando identificar que algo está fora de controle. Por isso, é essencial conhecer quais são essas dores e como evita-las. É o que ensina o ortopedista Luiz Alberto Nakao Iha:

Dor nas costas

As dores nas costas na gestação aumentam do quinto ao sétimo mês, sendo mais intensas na região lombar – na parte inferior das costas. Também surgem dores nas pernas “devido à contratura da musculatura ao longo da coluna. A intensidade piora se a mulher permanecer muito tempo sentada ou em pé”, destaca o médico. Como evitar: Fique longe do salto alto e coloque um travesseiro entre as pernas ao dormir de lado. Se for abaixar, dobre as pernas e não a coluna. Mantenha uma alimentação equilibrada para controle de peso.

Dor na panturrilha e tornozelos

É mais comum no segundo trimestre, quando o aumento de peso provoca tensão nas pernas, que também acumula grande quantidade de líquido. Esse incômodo é mais recorrente no fim do dia. Como evitar: É importante realizar exercícios físicos e alongamento para as pernas. Um deles é deitar e como um pano (por exemplo: toalha, fronha) apoiado na ponta do pé com o joelho esticado e tentar alongar a parte posterior da perna.

Dor sacro-ilíaca

Surge entre o sacro (final da coluna que se alarga) e a bacia, chamada de articulação sacro-ilíaca. A dor pode se estender para os glúteos e para a região posterior da coxa, não ultrapassando o joelho. O aumento de peso também é o principal responsável pela dor, assim como alterações hormonais. Como evitar:Apostar em exercícios de fortalecimento da musculatura e diminuir o esforço nas crises de dor.

Câimbras na gravidez

Com o crescimento da barriga, a partir do terceiro trimestre a postura se altera para garantir equilíbrio. As pernas e as costas são as áreas mais afetadas nesse estágio. Também é a fase que o bebê usa mais as quantidades de cálcio da mãe, aumentando as chances de a gestante sofrer câimbras. Como evitar:Mantenha uma alimentação rica em cálcio, ingerindo leite e seus derivados ao menos três vezes por dia. Faça exercícios físicos, alongando os músculos antes e depois da atividade.

Dores nas articulações

Dor ou dormência nas extremidades do corpo também acontecem, principalmente nas mãos, graças ao acúmulo de líquido que pode comprimir alguns nervos. Como evitar: Controle o aumento excessivo de peso, faça exercícios regularmente e mantenha a postura adequada.

Dores nas pernas

O sistema cardiovascular da gestante fica sobrecarregado com o peso da barriga e isso provoca inchaços e dores nas pernas. Como evitar: O sedentarismo prejudica muito. Portanto, pratique atividades físicas, faça caminhadas e aposte em meias elásticas, de suave a média compressão, para diminuir os inchaços.

Outras dores da gestação

Além dessas dores musculares e articulares citadas, as gestantes também podem sofrer de dor de cabeça, no estômago, na virilha, nos seios e na região pélvica. “São inúmeros os fatores que contribuem, entre eles, o peso da barriga, tamanho do bebê, excesso de peso e alterações hormonais”, esclarece o ortopedista Nakao Iha.

Bolsa  de Mulher

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios