Paraíba

Hospital de Patos: MPF obtém decisão que determina multa diária de R$ 5 mil ao Governo do Estado

hospital-de-patos-mpf-obtem-decisao-que-determina-multa-diaria-de-r-5-mil-ao-governo-do-estado.jpg.280x200_q85_cropO Ministério Público Federal (MPF) em Patos (PB) obteve decisão judicial que aumentou o valor das multas impostas ao governo da Paraíba por descumprimento da liminar que determinava a adoção, urgente, de uma série de medidas para assegurar o funcionamento regular do Hospital Regional Janduhy Carneiro (HRJC), em Patos (PB), distante 307 km da Capital. O MPF solicitou que o valor da multa diária, anteriormente imposta em R$ 200,00, fosse majorado para R$ 5 mil e cobrado também dos gestores e não apenas do Estado.

Assim, o pagamento da multa diária recaiu sobre o governador Ricardo Vieira Coutinho, o secretário estadual de Saúde, Waldson Dias de Souza, a diretora do Hospital Regional, Silvia Ximenes Oliveira, além do próprio Estado, em razão da Justiça ter atribuído aos gestores públicos responsáveis a responsabilidade solidária no pagamento dos valores. Ainda segundo a determinação judicial, o Estado da Paraíba tem prazo máximo de 30 dias para providenciar as medidas impostas na liminar descumprida, a partir do qual a multa começará a ser cobrada do Estado e dos gestores responsáveis já com a majoração.

Publicidade – No caso do Estado, a multa diária deve ser deduzida das verbas destinadas à publicidade e marketing, conforme explicitado na sentença. Neste caso, a Justiça ainda determinou que o depósito seja feito semanalmente, em conta a ser aberta, especificamente para esse fim, na Caixa Econômica Federal, devendo os valores ficarem à disposição da Justiça, sob pena de bloqueio de tais verbas. A sentença ainda determina que as decisões sejam cumpridas “com urgência”.

Inércia – O pedido de aumento da multa foi feito pelo Ministério Público Federal em manifestação nos autos da Ação Civil Pública nº 0006599-94.2012.4.05.8200, ajuizada pelo Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) contra o Estado. Em 14 de maio de 2013, a Justiça Federal proferiu liminar determinando a adoção, urgente, de uma série de medidas para assegurar o funcionamento regular do hospital e o atendimento digno e seguro à população que dele depende. No entanto, após mais de sete meses, nenhuma das medidas foram implementadas, nem sequer as de caráter administrativo como a organização de escalas.

Por ter sido exonerada do cargo em 9 de janeiro de 2014, Silvia Ximenes Oliveira, então diretora do Hospital Regional Janduhy Carneiro na época dos fatos, não está mais sujeita ao pagamento multa.

 

Assessoria

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios