Destaques

Governo distribui livros na PRF com recomendação de leitura da Bíblia e gera incômodo em servidores

O governo do presidente Jair Bolsonaro decidiu distribuir na Polícia Rodoviária Federal (PRF) livros com recomendação aos servidores para que leiam a Bíblia. À GloboNews, servidores da corporação relataram incômodo com a atitude, avaliando que o governo não deveria misturar religião e trabalho.

Em uma mensagem encaminhada aos servidores, a PRF tratou a distribuição dos livros como uma “assistência espiritual” para os servidores.

Procurada, a Polícia Rodoviária Federal afirmou que não registrou queixas na Ouvidoria sobre a distribuição dos livros (leia detalhes mais abaixo).

O Ministério da Justiça justifica a distribuição à “atenção à saúde integral dos policiais” em razão do estresse da atividade. A pasta referendou ações para estimular a religiosidade em encontros e a partir da distribuição de livros a gestores.

A Globonews teve acesso aos documentos do “projeto de fé” do governo. A orientação é distribuir os livros para todas as superintendências estaduais da PRF, recomendando orações diárias.

Orientação distribuída a servidores da PRF — Foto: Reprodução

Orientação distribuída a servidores da PRF — Foto: Reprodução

As orientações

Segundo a orientação do governo, os livros fazem parte do projeto Capelania e trazem “mensagens diárias devocionais”.

“Estimular a espiritualidade, contribuindo para o bem estar e qualidade de vida do servidor PRF, melhorando o seu desempenho nas atividades diárias”, diz um trecho.

“Sugerimos o uso coletivo do livro, no próprio ambiente de trabalho”, acrescenta o documento.

Agentes relataram à Globonews “constrangimento” com a chegada desses livros.

Mensagem enviada aos servidores da PRF — Foto: Reprodução

Mensagem enviada aos servidores da PRF — Foto: Reprodução

Servidores reclamam

À GloboNews, servidores relataram incômodo com a presença da religiosidade no ambiente de trabalho, que se dá “de forma injustificada” na avaliação desses servidores e que pode se traduzir em “violação de liberdade religiosa”, uma vez que não são contempladas todas religiões.

Servidores dizem, ainda que a questão é “delicada” e “gera constrangimento” porque, apesar de não ser obrigatório, o projeto de distribuição de livros “estimula o exercício da fé no ambiente de trabalho, duas coisas que não deveriam se misturar”.

O que diz a PRF

Procurada pela GloboNews, a Polícia Rodoviária Federal informou que não há queixas registradas na Ouvidoria do órgão sobre o projeto.

Sobre o fato de o projeto não ter incluído outras religiões, a PRF disse que, caso haja servidores interessados em atividades, precisam apresentar um pedido.

“As atividades de religiões não representadas formalmente – não só as de matriz africana, mas também budistas, hinduístas, muçulmanos, entre outras – poderão ser realizadas no âmbito da Instituição ,mediante solicitação dos servidores interessados e demanda que as justifique, cabendo ao servidor responsável pela gestão da Capelania PRF viabilizar o contato com os ministros religiosos dos credos solicitantes”, respondeu o órgão.

A PRF informou ainda que não houve gasto de dinheiro público e que o projeto não obriga a participação de ninguém.

G1

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios