Principal

Empresário Roberto Santiago negociava contratos ilícitos da prefeitura de Cabedelo, diz MPPB

O empresário Roberto Santiago, preso nesta sexta-feira (22), durante a terceira fase da Operação Xeque-Mate, negociava contratos ilícitos da prefeitura de Cabedelo em benefício próprio, de acordo com o promotor de justiça Rafael Lima Linhares. A negociação acontecia com, pelo menos, duas empresas: a prestação de serviço na coleta de lixo (Light Engenharia), e papelaria e copiadora (Copy Line). De acordo com a Polícia Federal, o empresário controlava quem ganhava a licitação.

O advogado do empresário, Marcos Pires, disse no início da manhã desta sexta que ainda não sabe o que está acontecendo e vai se informar do que esclarece o mandado. Roberto Santiago foi preso na casa dele, no bairro do Bessa, em João Pessoa.

Em audiência de custódia no final da manhã desta sexta-feira (22), a prisão do empresário foi mantida. Ele foi conduzido ao 1° Batalhão da Polícia Militar, no Varadouro.

O empresário Kelnner Mauex Dias, proprietário da empresa Copy Line, cuja residência foi alvo de mandado de busca e apreensão, disse que a empresa entrou na investigação por conta da amizade dele com o então prefeito Leto Viana e que está disposto a colaborar com a investigação.

O G1 buscou a Light Engenharia por meio do telefone da empresa, mas as ligações não foram atendidas.

Conforme informações da Polícia Federal, um depoimento teria sido determinante para a prisão do empresário Roberto Santiago, que teria tentado atrapalhar as investigações com a cooptação de pessoas para não prestarem depoimento contra ele. Segundo o delegado federal Fabiano Emídio, a denúncia foi feita em depoimento por uma pessoa cuja identidade não vai ser revelada.

Roberto Santiago foi apontado em depoimentos, durante as investigações, como o responsável pelos pagamentos que resultaram na compra do mandato do ex-prefeito Luceninha, em Cabedelo. O gestor renunciou ao cargo, em 2013, abrindo caminho para o agora também ex-prefeito Leto Viana (PRP) assumir o cargo de prefeito, que era o vice de Luceninha.

De acordo com promotor de Justiça Rafael Linhares, o empresário está inserido em um núcleo financeiro da organização criminosa. “A participação dele não está restrita ao episódio de hoje. Contabiliza hoje quatro denúncias [contra ele] e, provavelmente, essa será a quinta”, explicou o promotor.

Outros 11 mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados também estão sendo cumpridos pela Polícia Federal e pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) em residências dos investigados, na Paraíba e no Rio Grande do Norte, em Parnamirim e Mossoró. Os mandados foram expedidas pela 1ª Vara Criminal da Justiça Estadual de Cabedelo. Também foram sequestrados 20 imóveis dos investigados, avaliados em mais de R$ 6 milhões.

O objetivo da terceira fase da operação é desarticular o esquema de corrupção e fraudes licitatórias referentes aos contratos de manejo de coleta de lixo da Prefeitura de Cabedelo. Os contratos investigados superam a quantia de R$ 42 milhões. A operação contou com a participação de 65 policiais federais.

Logo após a posse, Leto Viana saiu no carro do empresário Roberto Santiago, que também é investigado na 'Xeque-Mate' — Foto: Kleide Teixeira/Jornal da Paraíba/Arquivo Logo após a posse, Leto Viana saiu no carro do empresário Roberto Santiago, que também é investigado na 'Xeque-Mate' — Foto: Kleide Teixeira/Jornal da Paraíba/Arquivo

Logo após a posse, Leto Viana saiu no carro do empresário Roberto Santiago, que também é investigado na ‘Xeque-Mate’ — Foto: Kleide Teixeira/Jornal da Paraíba/Arquivo

A operação Xeque-Mate tem o objetivo de desarticular um esquema de corrupção na administração pública de Cabedelo, na Grande João Pessoa, mais precisamente na Câmara Municipal e na Prefeitura. A ação foi coordenada pela Polícia Federal, em conjunto com o Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba. A operação foi desencadeada a partir de uma colaboração premiada do ex-presidente da Câmara de Cabedelo, Lucas Santino. A operação também investiga a compra do mandato de Luceninha (PMPB), permitindo que o então vice-prefeito, Leto Viana (PRB), assumisse o cargo.

Durante a primeira fase da operação “Xeque-Mate”, a Polícia Federal cumpriu 11 mandados de prisão preventiva, 15 sequestros de imóveis e 36 de mandados busca e apreensão expedidos pelo Tribunal de Justiça da Paraíba, no dia 3 de abril.

Além dos mandados, a Justiça decretou o afastamento cautelar do cargo de 85 servidores públicos, incluindo o prefeito e o vice-prefeito de Cabedelo, e o presidente da Câmara Municipal. Todos os 11 alvos de mandados de prisão foram detidos.

Na segunda fase, quatro mandados de busca e apreensão foram cumpridos em João Pessoa e Cabedelo, no dia 19 de julho. De acordo com a Polícia Federal, também foram realizados o sequestro de aplicações e ativos financeiros no valor de mais de R$ 3 milhões. Nesta etapa da operação, sete pessoas foram denunciadas.

Segundo a Polícia Federal, há indícios de que houve a compra de vereadores de Cabedelo para impedir a construção do shopping Pátio Intermares. Na primeira fase, a PF informou que existe um forte indício de que Leto Viana tenha comprado seu mandato em 2013 com a ajuda do empresário Roberto Santiago.

Segundo o delegado Fabiano Emídio Lucena, o então prefeito eleito, Luceninha (PMDB) havia recebido uma quantia que pode ter variado entre R$ 2 milhões a R$ 5 milhões para renunciar do seu mandato e permitir que seu então vice-prefeito, Leto Viana, assumisse o poder.

G1 PB

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios