Brasil acordou mais forte depois das manifestações, avalia Dilma

Popularidade-de-Dilma-cai-300x204Um dia depois das manifestações que levaram mais de 200 mil pessoas às ruas de várias cidades do país, a presidenta Dilma Rousseff disse que a mensagem direta das ruas é por maior participação e contra a corrupção e o uso indevido do dinheiro público.

“O Brasil hoje acordou mais forte. A grandeza das manifestações de ontem comprova a energia da nossa democracia, a força da voz da rua e o civismo da nossa população”, disse Dilma, durante apresentação do novo marco regulatório para o setor de mineração, ao avaliar as manifestações de ontem.

A presidenta disse que é preciso louvar o caráter pacífico dos atos públicos de ontem e o tratamento dado pela segurança pública à livre manifestação popular. “Infelizmente, porém, é verdade, aconteceram atos minoritários e isolados de violência contra pessoas, contra o patrimônio público e privado, que devemos condenar e coibir com vigor”, observou, ressaltando, no entanto, que os incidentes não ofuscam o espírito pacífico das pessoas que foram às ruas reivindicar seus direitos.

Dilma disse que as vozes das ruas precisam ser ouvidas e ultrapassam os mecanismos tradicionais das instituições, dos partidos políticos e das entidades de classe. Segundo ela, os que foram ontem às ruas deram uma mensagem clara, sobretudo aos governantes.

“Essa mensagem direta das ruas é por mais cidadania, por melhores escolas, melhores hospitais, postos de saúde, pelo direito a participação. Essa mensagem direta das ruas mostra a exigência de transporte público de qualidade a preço justo. A mensagem direta das ruas é pelo direito de influir nas decisões de todos os governos, do Legislativo e do Judiciário. Essa mensagem direta das ruas é de repúdio à corrupção e ao uso indevido do dinheiro público”, avaliou.

Dilma citou um cartaz que viu ontem nas imagens das manifestações onde estava escrito “Desculpe o transtorno, estamos mudando o país” e disse que seu governo está ouvindo as vozes por mudanças e comprometido com a transformação social. Segundo ela, as exigências da população mudam conforme o Brasil melhora.

“Porque incluímos, porque elevamos a renda, porque ampliamos o acesso ao emprego, porque demos acesso a mais pessoas à educação, surgiram cidadãos que querem mais e que têm direito a mais”, disse a presidenta, afirmando que todos estão diante de novos desafios. “As vozes das ruas querem mais cidadania, mais saúde, mais educação, mais transporte, mais oportunidades. Eu quero aqui garantir que o meu governo também quer mais e que nós vamos conseguir mais para o nosso país e para o nosso povo”.

Agência Brasil

Artigos relacionados

1 pensou em “Brasil acordou mais forte depois das manifestações, avalia Dilma”

  1. A câmara dos deputados fizeram secção às 02:30 da madrugada, votaram o fim do
    voto secreto, que se arrastava à mais de vinte anos e outras coisas mais que vinham
    a dez ou quinze anos engavetados. Para um bom entendedor um pingo é letra.
    E se hoje o nosso povo vive sofrendo e passando nescessidades básicas de Saúde
    Educação, Segurança. A culpa é exclusivamente do nosso Congresso Nacional, que
    em época de campanha nos enganam com promessas mentirosas, depois de elei-
    tos assumem um discurso só. legislam em causa própria, defendendo seus direitos
    e aumentando vultuosamente seus PATRIMÔNIOS, esquecendo-se dos compromissos feitos com o povo. O povo está no limite Sra Presidente e se a
    Senhora não abrir os olhos, a senhora vai sair do Governo como ruim, e esse congresso que nunca fez nada pelo povo brasileiro, vai continuar a dar as cartas.
    Portanto está na hora de reformas, na Saúde n Educação e principalmente no que
    diz respeito a SEGURANÇA, por que hoje o cidadão Brasileiro vive refém dentro da
    sua própria casa.Por quê não existe leis nesse País pra punir nínguém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios