Esgoto com sangue de matadouro escorre para canal da Transposição

Publicado em segunda-feira, agosto 12, 2019 · Comentar 

Um vídeo que circula nas redes sociais desde a última sexta-feira (9) mostra um cidadão denunciando um suposto vazamento de esgoto para um canal pluvial que corta a cidade de Monteiro, no Cariri da Paraíba, a 305 km de João Pessoa. Junto aos resíduos do esgotamento, é possível ver escorrendo grande quantidade de sangue proveniente de um matadouro, material que seguiu o fluxo do canal em direção à calha da Transposição do Rio São Francisco. O problema foi confirmado à redação do Portal Correio por autoridades locais, que ressaltaram que a situação foi contornada.

O secretário de Infraestrutura da Prefeitura de Monteiro, Juraci Conrado, disse que o vazamento foi um problema pontual e negou que o derramamento de esgoto no canal ocorra com frequência.

“O que aconteceu foi um problema momentâneo nessa sexta-feira, na estação elevatória de esgoto da Cagepa e, que por conta disto, os motores de bombeamento tiveram que ser desligados durante um período de poucas horas, o que ocasionou um pequeno vazamento, porém já solucionado”, afirmou o secretário.

Juraci detalhou que, com o desligamento dos motores, o esgoto acabou transbordando e, junto com ele, veio o sangue do matadouro.

“O matadouro usa muita água e na sexta-feira há muito movimento no local, pois nos sábados há a feira pública da cidade, quando muita carne é comercializada. Por isso o sangue que foi direcionado à rede de esgoto acabou vazando durante o problema”, contou.

O gerente do escritório local da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa), José Neto, explicou que foi necessário o desligamento dos motores de bombeamento para que fosse feita uma manutenção em uma tubulação de esgoto de 200 milímetros de diâmetro que havia estourado e necessitava de substituição.

“A tubulação foi trocada ainda na sexta-feira. Manutenções desse tipo costumam ocorrer, mas não necessariamente seguidas de vazamento de esgoto, pois vai depender do tempo de desligamento das bombas e da demanda de água no município naquele momento”, esclareceu José Neto.

Ou seja, conforme declarou e, questionado sobre o que poderia ser feito para prevenir possíveis vazamentos futuros, o gerente local falou, resumidamente, que não há como se evitar, mas se queixou de dificuldades em serviços de reparos após as obras da Transposição.

“Há locais, por exemplo, em que colocaram concreto por cima de locais de acesso à rede de esgoto, o que dificulta os serviços”, indicou.

O presidente da Câmara Municipal de Monteiro, vereador Ricardo Cajó Menezes, disse ao Portal Correio ter tomado conhecimento sobre o problema e que discutirá com os demais parlamentares como apurar esses vazamentos de esgoto.

“Vamos nos informar direito e procurar conversar com os responsáveis para que esse problema não ocorra mais”, comentou Cajó.

A assessoria de imprensa do Ministério Público Federal (MPF) na Paraíba informou que até a publicação desta matéria o órgão não tomou conhecimento sobre o vazamento de esgoto com sangue. Indicou também que qualquer cidadão pode entrar com representação junto ao MPF para denunciar casos como esse.

Portal Correio

Tags :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solânea Online - CNPJ: 32.356.555/0001-67

É proibida a reprodução total ou parcial deste site, sem autorização prévia !